Critérios da Igreja para confirmar a legitimidade de uma aparição mariana - Padre Salvatore M. Perrella



"Convido-os a abrirem-se e a tomarem os Santos como modelos. A Mãe Igreja os escolheu como um estímulo para vocês, no seu dia a dia."


 
O Padre Salvatore M. Perrella, professor de dogmática e mariologia na Pontifícia Faculdade Teológica Marianum, em Roma, em artigo publicado no Jornal do Vaticano 'Osservatore Romano' explica os critérios que utiliza a Igreja para determinar a legitimidade das aparições marianas
 
Explica que há diferença entre visão e aparição, sendo que a primeira é de índole espiritual e a segunda de ordem física. Após comentar que o processo para a verificação eclesiástica das aparições marianas foi tema do Concílio Lateranense e no de Trento, o padre Perrella diz que hoje em dia se pede ao bispo diocesano ou arcebispo e ao Papa o discernimento sobre a veracidade dos fatos apresentados.Recentemente, a Congregação para a Doutrina da Fé, após quatro anos de estudos (de 1974 a 1978), redigiu um documento interno, assinado pelo Cardeal Prefeito Franjo Seper, e destinado a ser utilizado pelas autoridades eclesiásticas competentes, sob o título de "Normae S. Congregationis pro Doctrina Fidei de modo procedendi in indicandis praesumptis apparitionibus ac revelationibus" (Normas da Congregação para a Doutrina da Fé sobre o modo de proceder para julgar as presumíveis aparições e revelações).
 
Explicou que foi estabelecido que para se obter com a verificação uma informação precisa sobre os fatos sob observação e a reunião de testemunhas de sinais de fé, é feito exame da mensagem objeto do evento sobrenatural, que não deve estar em contraste com a fé cristã; exige-se dignóstico médico-psicológico para confirmar a saúde e normalidade do(s) vidente(s), também para descartar a possibilidade de fenômenos alucinatórios; é analisado, ainda, grau de instrução do vidente, seu conhecimento da Doutrina, sua vida espiritual, seu grau de comunhão eclesial, frutos espirituais, (conversões); sua moralidade e eclesialidade , cooperação na evangalização do mundo, cultura e costume, eventuais curas milagrosas que se operam em razão da referida revelação privada, a juízo da Igreja.
 
Uma vez verificadas e autenticadas pela autoridade eclesiástica, as manifestações extraordinárias permitem a liberdade de adesão, enquanto a fé se presta só à Revelação pública de Deus concluída com a morte do último Apóstolo. Ao final, o padre Perrella explica que as aparições são uma graça "dada gratuitamente" do Céu, recordando que estas ajudam a incrementar a fé das pessoas, não aumentam a fé na Revelação mas ajudam a fazê-la atual num determinado tempo.